ROLAMENTOS E SOLUÇÕES EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL
MATRIZ - SP: (11) 2797-1322 | SERVICE - SP: (11) 2902-1460
ROLAMENTOS E SOLUÇÕES EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL
MATRIZ - SP: (11) 2797-1322 | SERVICE - SP: (11) 2902-1460

O que é Manutenção Corretiva? Quais são as vantagens e desvantagens? Quando realizá-la?

manutenção corretiva

Manutenção corretiva (conforme a Norma NBR 5462) é manutenção realizada após a falha ou pane do componente, para colocá-lo em funcionamento novamente. É considerada o tipo de manutenção mais cara para a empresa, leva mais tempo e causa prejuízos na produção.

Durante as rotinas de manutenção é fundamental supervisionar os equipamentos para evitar que sua empresa pare ou perca produtividade.

Apesar disso, muitas empresas ainda optam por agir somente após a falha do componente. Por várias razões.

Contudo, vale a pena deixar para agir só depois que o equipamento parou?

Nesse sentido, visando responder esta e outras dúvidas, elaboramos este GUIA COMPLETO. Entre outras coisas, apresentaremos as vantagens e desvantagens da manutenção não programada.

Assim, você poderá decidir se realmente a melhor opção é deixar para trocar os componentes de sua máquina somente quando eles quebrarem.

Acompanhe nosso artigo e veja o bônus especial que nossos especialistas prepararam para você!

O que você verá nesse artigo:

  • Qual é o objetivo da Manutenção Corretiva?
  • Tipos de manutenção corretiva e exemplos
  • Vantagens e desvantagens
  • Quando realizar a Manutenção Corretiva?
  • Quais os custos
  • O que fazer para evitar manutenções emergenciais
  • Bônus: Por que os equipamentos falham?

Manutenção Corretiva definição?

Manutenção Corretiva pode ser definida como o reparo de um equipamento após alguma inconsistência ou falha total. Ou seja, visa corrigir os problemas que podem prejudicar o desempenho das máquinas. Por exmplo: falhas nos maquinários, acidentes, quedas, quebras, erros na operação, entre outros fatores.

Qual o objetivo da Manutenção Corretiva?

O ojetivo principal da Manutenção Corretiva é devolver o pleno funcionamento do equipamento. Ou seja, voltar a produzir. Por isso, ela deve ser realizada de forma rápida e eficaz, seja reparando ou substituindo uma peça, para que a empresa retome as atividades e volte a produzir o quanto antes.

Contudo, para isso, não basta saber apenas o conceito e objetivo de uma manutenção emergencial.

Você precisará entender o tipo de falha e sua relação com manutenção corretiva. Para isso, mostraremos a Curva PF.

Relação Curva PF x Manutenção Corretiva

curva PF manutenção preventiva
Fonte: modularcursos.com/

A Curva PF é uma ferramenta analítica essencial para um plano de manutenção baseado em confiabilidade. É um gráfico que mostra a relação entre a performance de um equipamento e o tempo que ele opera.

Esta curva apresenta dois pontos de falha:

Ponto de Falha Potencial

Significa que a partir deste ponto o sistema começou a ter a sua performance afetada. Indica um transtorno inicial na máquina. Ou seja, algo que já afeta a produtividade. Algumas indicações dão sinais de falha potencial como, por exemplo:

  • vazamentos,
  • excesso de vibração,
  • aumento de ruído,
  • aumento de pressão e
  • elevação da temperatura de trabalho.

Neste ponto, as causas são diversas. Cabe aqui adotar práticas de análises preditivas para identificar a origem.

Muitas vezes, a solução é mais simples e menos custosa para a empresa. Pode ter somente a necessidade de trocar um rolamento ou talvez apenas lubrificá-lo, por exemplo.

Ponto de Falha Funcional

Quando o sistema fica parado porque algum componente da máquina não está operando como deveria. Em outras palavras, passou pelo ponto de Falha Potencial e, sem uma manutenção preventiva, parou de funcionar.

Aqui não há outra opção que não seja trocar ou reparar o componente o quanto antes. Assim, o equipamento pode retomar as atividades produtivas.

As causas de uma falha funcional quase sempre podem ser previstas. Salvo quando ocorre um acidente.

Em sistemas rotativos os exemplos geralmente são de problema de vida útil do componente e vazamentos de lubrificantes.

Por que saber sobre Curva PF?

Em suma, o intervalo da curva determina o tempo entre a falha potencial e falha funcional.

Quanto maior o período para identificar e sanar a falha, maior será o impacto no cálculo do custo para reparo.

Sendo assim, saber os motivos que levam a falha de um sistema, determina o momento de agir.

Existem diversos tipos de manutenções e entre elas estão: manutenção corretiva, a manutenção preditiva, manutenção preventiva e a produtiva total. Esta última é também conhecida como manutenção TPM.

Nosso artigo sobre manutenção industrial explica melhor sobre cada uma delas. Confira O Guia Completo sobre manutenção.

erros de manutenção industrial

Tipos de Manutenção Corretiva

Para deixar claro, separamos os tipos de Manutenção Corretiva em dois tópicos. Assim, fica mais fácil conhecer as características de cada modalidade.

Manutenção Corretiva Não Planejada

Ocorre de maneira randomizada e inesperada. Ou seja, não há nenhum tipo de supervisão sobre o equipamento.

Também é conhecida como Manutenção Não Programada, ou ainda Manutenção Emergencial.

Neste caso, é comum que o equipamento apresente falhas graves e deixe de funcionar. E em geral, esses aspectos afetam diretamente a produção da empresa.

Portanto, eles precisam ser tratados rápidos. Assim, é preciso realizar um reparo ainda mais custoso do que se houvesse um plano de manutenção preditivo.

Manutenção Corretiva Planejada

Também conhecida como Manutenção Corretiva Programada, este modelo de Manutenção Corretiva é um pouco menos custoso do que a Manutenção Emergencial.

Pois, diferentemente dela, essa manutenção baseia-se na identificação prévia de um problema. Ou seja, a partir de um acompanhamento das máquinas.

Por isso, essa manutenção também pode ser chamada de previsível, ou ainda, de pré-determinada.

Os danos ainda afetam a produção, mas são menores.

Exemplos de Manutenção Corretiva

Após conhecer os tipos de Manutenção Corretiva, veja abaixo alguns exemplos de manutenção não programada:

  • Reparo em tubulações com vazamento,
  • Troca de peças quebradas,
  • Conserto de trincas na estrutura,
  • Reativar sistemas em curto;
  • Troca de componentes eletrônicos queimados,
  • Substituir transformador,
  • Eliminar trepidações e vibrações,
  • entre outros.

Vantagens e desvantagens da Manutenção Corretiva

Ao pensar nos ativos da empresa é natural considerá-los como um meio para se obter lucro. Pois, de fato, há ativos que são extremamente significativos para a produção.

Por isso, é necessário ter uma resposta rápida e assertiva para não comprometer a produtividade da empresa.

No entanto, muitas empresas deixam para agir só quando ocorre a quebra do componente. Em outras palavras, optam pela Manutenção Corretiva. Mas o que é necessário considerar sobre uma decisão como essa?

Vale a pena adotar a Manutenção Corretiva? Quais são as vantagens?

manutenção corretiva

Apesar dos custos altos, há situações em que a Manutenção Corretiva ainda é melhor alternativa.

Por exemplo, equipamentos menores, com pouca influência na produção e sem muita demanda a longo prazo, essa opção pode ser mais vantajosa.

Além disso, empresas de pequeno porte, sem uma equipe de manutenção, podem ver nesse tipo de manutenção a única alternativa para reparar seus equipamentos.

Principalmente se o reparo for rápido e não impactar demais na parada da produção.

E as desvantagens dessa manutenção?

  • Lucro Cessante: a Manutenção Corretiva é uma medida que interfere diretamente no lucro da sua empresa. Afinal, se sua produção está parada, significa que o seu dinheiro também está;
  • Compras emergenciais: a surpresa de ter um ativo comprometido faz com que a empresa precise realizar gastos emergenciais. Isto é, fora da programação financeira;
  • Não identificar a causa raiz: muitas vezes existe um problema no equipamento que se agrava e afeta outras partes da máquina. Pode-se não identificar esse fator latente e, assim, voltar a ter um contratempo;
  • Tempo: quanto mais tempo sua produção ficar parada, maiores são os prejuízos para a sua empresa.

De maneira geral, as desvantagens dessa manutenção não são próprias do procedimento, mas sim da necessidade em fazê-lo.

Quando realizar a Manutenção Corretiva?

Há situações em que o melhor a fazer é mesmo a Manutenção Corretiva. Afinal, há casos em que a máquina parou por algum motivo não conhecido.

Nestas situações o mais indicado é uma ação rápida e efetiva, por mais que ela seja custosa.

Quais são os custos com a Manutenção Corretiva?

Os custos de um procedimento como a Manutenção Corretiva se ligam diretamente às desvantagens deste reparo.

Afinal, tudo em torno desta operação incide no lucro da empresa. Desde o ato de pagar pelo reparo, até o tempo em que o ativo ficará sem produzir.

Por isso, mais uma vez o lucro cessante entra em questão por conta do intervalo de tempo que não é curto.

Pois ele vai desde a detecção da falha até o retorno de utilização da máquina após a manutenção.

Além disso, é necessário considerar os custos com peças e ferramentas para a realização da reparação. E, além deles, o valor investido também na mão de obra do processo.

E esses não são os únicos gastos, pois a depender da gravidade da situação, outras peças podem se comprometer.

Como por exemplo, um vazamento de óleo na máquina que prejudica outros compartimentos.

Esta manutenção é bastante custosa, pois demanda mais esforço do que apenas uma revisão sem nenhum prejuízo já presente na máquina.

Além disso, essa manutenção também demanda mais tempo e esforço dos técnicos e especialistas. O que atrapalha ainda mais a empresa, visto que tempo é dinheiro.

Apesar desses fatores, a Manutenção Corretiva não seria necessária se as empresas tivessem o hábito de fazer revisões e acompanhar a performance das máquinas.

No entanto, isso não é o que ocorre e no final das contas, as opções são sempre custosas.

O que fazer para evitar manutenções emergenciais?

Já vimos que a Manutenção Corretiva Não Programada pode ser a mais custosa. É claro que isso depende do equipamento e necessidade de correções.

No entanto, um reparo emergencial sempre é mais complexo e, por isso, também é mais caro. Mas o que fazer para evitar prejuízos inesperados e uma Manutenção Não Planejada?

Rotina de monitoramentos

Se a empresa tem o costume de inspecionar seus ativos, a chance de a produtividade da empresa estar em alta é muito forte. Por exemplo, monitorar a vida útil de rolamentos, mancais e correias dos seus ativos.

No entanto, se a empresa não mantém um monitoramento da condição dos seus equipamentos, é provável que ela precise lidar com problemas urgentes em algum momento.

Por isso, uma gestão de manutenção é fundamental para evitar surpresas desagradáveis. Principalmente pelo fato de que uma Manutenção Preditiva é bem menos custosa.

Além disso, com ela é possível aumentar o grau de confiabilidade de uma planta.

Pois é possível identificar os fatores que necessitam reparo e atenuar qualquer situação que poderia se agravar.

Evitar impactos nos ativos

Muitos equipamentos são fortes e resistentes, no entanto, tombos e pancadas podem ser bastante prejudiciais para eles.

Por isso, é importante pensar em uma boa localização para as máquinas de maneira que se evite esses fatores.

Investir em equipamentos e ferramentas de qualidade

Se uma pausa no funcionamento de um ativo significa um lucro cessante, então uma empresa precisa fazer de tudo para que uma parada nunca aconteça.

Para isso, é importante pensar nos ativos e nas ferramentas para manutenção como medidas de investimento para o próprio negócio.

Pois, no final das contas, investir em boas ferramentas é melhor do que pagar uma Manutenção Emergencial.

Além de, muito provavelmente, ter uma produtividade maior do que em equipamentos medianos.

Fazer uso de indicadores de manutenção

Toda empresa que busque otimizar seus processos e melhorar os resultados da sua produção deve usar indicadores de manutenção.

São ferramentas que facilitam a apresentação das informações e torna mais claro os objetivos propostos.

Como resultado de um bom planejamento e acompanhamento, sua empresa terá maior eficiência.

Os principais são:

  • MTBF – Tempo médio entre falhas
  • MTTR – Tempo médio entre reparos
  • Availability ou Disponibilidade de ativo
  • Confiabilidade de ativo
  • Backlog
  • MPd – Cumprimento dos planos de manutenção preditiva
  • MP – Cumprimento dos planos de manutenção preventiva

A partir disso, sua empresa poderá avaliar os custos de manutencão e descobrir onde melhorar.

Principais razões para um equipamento falhar

Para garantir o melhor potencial de um ativo é necessário ter atenção aos seguintes aspectos:

Lubrificação insuficiente ou em excesso

Um aspecto indispensável para equipamentos é a lubrificação industrial.

Por exemplo, peças de transmissão de potência como rolamentos ou mancais precisam estar sempre bem lubrificadas. Afinal, elas são indispensáveis para o funcionamento do ativo.

Apesar disso, não se recomenda lubrificar os equipamentos demais. Isso também pode atrapalhar o funcionamento da máquina ou mesmo comprometê-la.

O ideal é usar as ferramentas de lubrificação e o plano de lubrificação indicado para o equipamento ou componente.

ebook de lubrificantes industriais

Falta de monitoramento

Não há como manter um ativo em bom funcionamento sem o devido acompanhamento do mesmo. Afinal, alguns equipamentos podem apresentar ruídos ou mudanças de temperatura.

No entanto, em muitos casos, as máquinas não apresentam sintomas de problema e podem trazer um prejuízo catastrófico ainda assim.

Falta de acompanhamento sobre a vida útil dos componentes

Esse fator geralmente vem acompanhado do anterior. Pois se não há o costume de inspeção das máquinas, provavelmente também não existe o acompanhamento das peças.

Mas esse é um problema que pode-se evitar facilmente se a empresa tiver o cuidado com a vida útil dos componentes. Assim, as chances de evitar contratempos são maiores.

Montagem inadequada

A montagem de um ativo deve receber uma atenção especial, pois ela deve ser perfeita para garantir a produção com o melhor potencial.

Além disso, uma montagem adequada evita danos latentes, já que a empresa pode pensar que a produção oferecida é a normal.

O que pode ser um grande problema no lucro e futuramente nos gastos da empresa.

Danos causados por uso de “gambiarras” e uso de componentes de má qualidade

Assim como uma montagem incorreta pode ser prejudicial para uma indústria, a utilização de “gambiarras” também pode.

Por isso, o ideal é contar com peças e ferramentas de qualidade para o devido monitoramento e funcionamento das máquinas.

Conte com a Abecom para o monitoramento dos seus ativos!

Mais do que uma distribuidora de rolamentos, a Abecom é uma multiespecialista em manutenção industrial!

Por isso, ela entende que o monitoramento é, sobretudo, a melhor opção para cuidar dos seus ativos.

Assim, é possível evitar custos altos e inesperados como na Manutenção Corretiva. Além de garantir uma melhor vida útil para seus equipamentos!

Nesse sentido, a empresa dispõe de soluções integradas para monitoramento da condição e também da gestão de ativos.

Esses fatores são ideais para quem deseja manter as máquinas com o melhor potencial e reduzir custos.

Portanto, se você pensa na otimização dos seus ativos e no lucro da sua empresa, consulte um de nossos especialistas!

Pois temos as melhores soluções em contratos de manutenção e monitoramento preditivo, o que reduz o seu tempo, custos!

Afinal, este é o modelo da Abecom: fornecer produtos de alta qualidade integrados com serviços de preditiva. Que, ao final das contas, reduzem globalmente os custos da sua empresa através de inovação e engenharia de aplicação!

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Deixe um comentário

Artigos mais lidos

Últimas Notícias

Categorias

Tags