ROLAMENTOS E SOLUÇÕES EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL
MATRIZ - SP: (11) 2797-1322 | SERVICE - SP: (11) 2902-1460
ROLAMENTOS E SOLUÇÕES EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL
MATRIZ - SP: (11) 2797-1322 | SERVICE - SP: (11) 2902-1460

Gestão de lubrificação: entenda porque ela é importante para sua empresa

gestão de lubrificação

Um programa adequado de gestão de lubrificação permite determinar o lubrificante certo, a quantidade correta, no ponto e no momento certo. Além disso, também é capaz de definir as ferramentas de lubrificação certas em cada situação.

Por que pensar em um programa de gestão na sua empresa? Em primeiro lugar porque um equipamento com a lubrificação correta, oferece mais eficiência energética e menores custos de manutenção.

Em segundo lugar porque reduz o consumo demasiado de lubrificantes, principalmente por conta de vazamentos.

Porém, muitas empresas deixam de lado o controle dessa importante etapa na gestão do seus ativos.

Isto é um problema pois, sem uma gestão eficaz, o equipamento corre o risco de parar e causar prejuízos substanciais à empresa.

O que você verá nesse Guia de gestão de lubrificação?

Este guia, antes de tudo, tem o objetivo de mostrar como a gestão da lubrificação é uma prática fundamental para toda empresa que busca eficiência em seus equipamentos.

Além disso, queremos que você consiga identificar as oportunidades de melhorias no seu processo de manutenção. Seja aperfeiçoando o plano ou programa existente ou implementando um que garanta a eficiência dos lubrificantes em seus equipamentos.

Em outras palavras, verá como elaborar um plano de lubrificação e como a análise e a regeneração de óleo são importantes para sua empresa.

Lembre-se, a lubrificação industrial permite melhorar o desempenho dos equipamentos.

Como resultado, aumentar a lucratividade, reduzir custos, melhorar a confiabilidade dos processos, aumentar o ciclo de vida geral dos equipamentos e, em última análise, fabricar seus produtos de forma mais competitiva.

Pronto para começar?

O que é gestão de lubrificação?

A gestão de lubrificação é uma abordagem ampla do processo de lubrificar componentes ou partes do equipamento.

Nela, os lubrificantes industriais não são considerados apenas consumíveis que precisam ser comprados pelo menor preço. Mas, sim, ativos a serem administrados em todos seus aspectos.

Esse controle começa no dia em que o lubrificante chega à planta e termina no dia em que é descartado de forma adequada ou regenerado.

Ao longo de todo o seu ciclo de vida, diversos aspectos devem ser considerados, incluindo:

  • Padrões de seleção e aquisição;
  • Armazenamento e manuseio;
  • Técnicas de amostragem de óleo;
  • Análise de lubrificante;
  • Controle de contaminação;
  • Padrões de lubrificação e relubrificação;
  • Melhores práticas de aplicação de lubrificantes;
  • Metas e métricas do programa de lubrificação;
  • Práticas de segurança e descarte.

5 pilares da Gestão da Lubrificação

Para que este conceito seja implementado nas empresas, antes de tudo, é preciso trabalhar os 5 pilares que sustentam a gestão de lubrificantes:

  1. Lubrificante correto;
  2. Ponto de aplicação correto;
  3. Quantidade correta de lubrificante;
  4. Periodicidade correta;
  5. Procedimento correto;

E como colocar em prática as ações destes pilares para garantir que os componentes ou partes da máquina sejam lubrificados corretamente?

Resposta: com um plano de lubrificação.

O que é um plano de lubrificação?

Plano de lubrificação é um documento que reúne informações e dados históricos que permitem determinar por que, como, onde e quando lubrificar.

Sendo assim, podemos dizer que o plano de lubrificação é uma ferramenta de manutenção preditiva. Pois ele permite predizer e antecipar as ações que impedem a falha do lubrificante.

Permite relacionar as especificações dos componentes a serem lubrificados com as especificações dos lubrificantes utilizados e planejar as ações na rotina da fábrica.

Qual a importância e como elaborar um plano de lubrificação?

Um plano de lubrificação é essencial para garantir o bom funcionamento de equipamentos como: compressores, caixas de engrenagens, bombas e motores.

Cada equipamento tem requisitos específicos como, o tipo de lubrificante, a viscosidade recomendada e o tempo de relubrificação.

O plano contém uma lista de verificação de todos os componentes a serem lubrificados e seus requisitos.

Eles também definem o treinamento do pessoal de manutenção para seguir o plano, ou a terceirização da manutenção para uma empresa especializada que tenha know-how na elaboração e implantação destes planos.

Alguns exemplos de serviços que podem ser terceirizados num plano de lubrificação são:

  • Amostragem e análise de éleo;
  • Regeneração de óleo;
  • Instalação de sistemas centralizados de lubrificação;
  • Software de gestão de lubrificantes.

Etapas de um plano de lubrificação

  1. Qual lubrificante usar?
  2. Qualidade do lubrificante a ser usado?
  3. Quanto lubrificante é necessário?
  4. Onde o lubrificante deve ser utilizado?
  5. Com que frequência lubrificante deve ser aplicado novamente?

Veja como respondê-las a seguir.

ebook de lubrificantes industriais

Qual tipo de lubrificante usar?

Em primeiro lugar, consultar o manual do fabricante do equipamento. Ele é a primeira referência para saber quais os parâmetros na seleção do lubrificante.

Em segundo lugar, consultar o representante técnico do distribuidor de lubrificantes. O distribuidor deve ter treinamento, conhecimento e experiência para dar recomendações do fabricante.

Importante: escolha um distribuidor autorizado e certificado pelos fabricantes. Ele é quem vai auxilia-lo na seleção do produto mais adequado ao seu maquinário.

Os dois tipos principais de lubrificantes usados nas indústrias são óleo e graxa. A seleção do tipo depende da aplicação.

Por exemplo, as graxas são amplamente utilizadas na lubrificação de rolamentos. Contudo, o uso de óleo também é possível em determinados casos.

Saiba mais em nosso guia de lubrificantes industriais. Baixe nosso E-book.

 

Qual a qualidade do lubrificante a ser usado?

A qualidade de um lubrificante é a capacidade que ele tem de atender às especificações do equipamento com base em resultados de testes de normas, como os da ASTM. Os testes são realizados pelos próprios fabricantes, e seus resultados estão disponíveis em seus catálogos.

Depois de adquirir os lubrificantes, a empresa deve empregar boas práticas de manutenção de qualidade para conservar as condições originais do produto.

Como adquirir e manter lubrificantes de alta qualidade:

  • Uso de testes de especificações das folhas de dados do produto para comparar lubrificantes;
  • Obtenção dos requisitos mínimos de especificação com os fabricantes;
  • Definição de especificações mínimas de lubrificantes com os fornecedores;
  • Estabelecimento de padrões de manuseio para o recebimentos de novos lubrificantes;
  • Utilização de certificados de análise para teor de água e viscosidade em lubrificantes entregues;
  • Testagem frequente de amostras de lubrificantes para determinar se o fornecedor está atendendo aos requisitos mínimos;
  • Não utilizar o preço como o principal critério na seleção de fornecedores;

Quanto lubrificante é necessário?

O lubrificante não deve ser aplicado nem em falta, nem em excesso. A falta causa problemas como sobreaquecimento e desgastes, mas o excesso também causa falhas. Por exemplo, o rompimento de selos em rolamentos.

No caso da aplicação de graxa, alguns fatores influenciam o cálculo, como:

  • Projeto do rolamento;
  • Tipo de selo usado no mancal;
  • Tamanho e velocidade de operação;
  • A viscosidade da graxa.

Uma conta simples que pode ser usada na aplicação de graxa para rolamento é:

Qg = 0,005 x De x Lr

Onde:

Qg é a quantidade de graxa, em gramas;

De é o diâmetro externo e Lr é a largura do rolamento, ambos em milímetros.

Por exemplo, na lubrificação por óleo, a indicação geral é deixar o banho de óleo até a metade da esfera inferior do rolamento.

Onde o lubrificante deve ser utilizado?

A próxima etapa do plano de lubrificação é localizar quais componentes devem ser lubrificados e identificar os pontos corretos para lubrificar.

Todos os pontos devem ser devidamente identificados quanto ao lubrificante a ser adicionado.

Além da identificação, os recipientes e os aplicadores de lubrificantes também devem ser identificados. Dessa forma, evita que um lubrificante novo seja contaminado com restos do antigo e não altere as suas características.

Com que frequência deve-se aplicar o lubrificante novamente?

Isto depende do tipo de lubrificante utilizado. Veja alguns exemplos:

Frequência de aplicação de graxa

As frequências de aplicação de graxa são determinadas nos catálogos dos fabricantes. Se não estiverem, há um cálculo que pode ser usado no caso rolamentos industriais:

t = K*(14.000.000/(n*√d)) – 4d

onde:

t é o intervalo de relubrificação, em horas;

d é o diâmetro interno, em milímetros;

n é a velocidade em RPM;

K é o fator por tipo de rolamento.

Este fator é igual a 1 em rolamentos de esferas ou rolos cônicos; 5 em rolamentos de rolos cilíndricos ou de agulhas; e 10 para rolamentos radiais de esferas.

Frequência de troca de óleo lubrificante

A frequência de troca de lubrificantes depende do tipo de sistema e do tamanho do reservatório. A orientação inicial é fornecida pelo fabricante do equipamento em seu manual, e deve ser ajustada com base nas condições do ambiente de trabalho.

Troca de óleo em pequenos reservatórios

Lubrificantes em pequenos reservatórios sem circulação de óleo, devem ser trocados com frequência. Sempre com base nas recomendações do fabricante.

As condições do ambiente de trabalho determinam a frequência de troca. Equipamentos sob ação de contaminantes, como água e lama, devem ter o óleo trocado com mais frequência.

A frequência de troca também deve ser determinada através da análise de óleo. As mudanças de qualidade do óleo, detectadas nestas análises, fornecem informações úteis sobre quando trocar o óleo.

Troca de óleo em grandes reservatórios

A frequência de troca em grandes sistemas deve ser estabelecida com testes de monitoramento de condição de análise de óleo. Estes testes detectam a contaminação por partículas, água e oxidação.

Esses fenômenos também podem ser identificados através de monitoramento visual. Óleos que estão ficando mais escuros indicam oxidação. Óleos com aparência turva ou com sólidos em suspensão indicam contaminação excessiva. Em ambos, é necessário avaliar em laboratório amostras do lubrificante.

O que é análise de óleo?

A análise do óleo é a atividade de rotina que avalia a pureza do óleo e o desgaste da máquina. O objetivo de um programa de análise de óleo é verificar se uma máquina lubrificada está operando de acordo com as expectativas.

Quando os óleos oxidam, eles produzem lama, verniz e ácidos, que causam danos ao equipamento.

Se uma condição ou parâmetro anormal é identificado por meio da análise de óleo, ações imediatas podem ser tomadas para eliminar a origem do problema ou para mitigar uma falha em desenvolvimento.

Por que a análise de óleo é importante para a gestão de lubrificação?

A principal razão para realizar a análise de óleo é entender a condição do óleo. Além disso, ajuda analisar a condição da máquina, ou componente, da qual a amostra de óleo foi retirada.

A análise de óleo também pode ser feita na chegada de um produto novo, para confirmar a qualidade do produto adquirido.

Dessa forma, a importância da análise de óleo para o sistema de gestão de lubrificação industrial é o suporte que ela dá no controle da qualidade dos lubrificantes e na programação da troca de óleo.

Como fazer análise de óleo lubrificante?

Antes de tudo, deve-se ter em mente que a análise do óleo lubrificante não se limita a apenas um tipo de teste. Depende de cada empresa, processo e horas de trabalho do equipamento.

Em segundo lugar, é preciso determinar de onde as amostras serão coletadas e uma classificação para elas.

É comum classificar as amostras por tipo de equipamento, como:

  • Motores;
  • Transmissões e sistemas de engrenagens;
  • Equipamentos de acionamento hidráulico;
  • Compressores e turbinas.

Quais são as principais técnicas de análise do óleo lubrificante?

Há várias técnicas de análise de óleo. Elas se dividem em três categorias principais:

  • Propriedades dos fluidos: usadas para identificar o estado físico e químico atual do óleo, bem como na definição de sua vida útil remanescente;
  • Contaminação: usadas na detecção de contaminantes prejudiciais ao óleo, como água e impurezas;
  • Presença de detritos: usadas na identificação de partículas produzidas como resultado de desgaste mecânico, corrosão ou de degradação da superfície da máquina.

A tabela abaixo mostra as principais técnicas de análise de óleo em suas categorias:

CATEGORIA TESTES
Propriedades dos fluidos Viscosidade, Indicador ácido/base, FTIR, Análise elementar
Contaminação Contagem de partículas, Análise de umidade
Presença de detritos Densidade ferrosa, FTIR e Análise elementar

Qual a importância da filtragem de óleo para a gestão de lubrificação?

A filtragem de óleo é um componente integral da manutenção de equipamentos em uma ampla gama de indústrias. Os filtros de óleo vêm em vários tipos, sendo importante selecionar os sistemas certos para atender às suas necessidades operacionais.

O sistema de filtragem mais simples é o mecânico, quando as partículas ficam presas na malha ou nos poros do filtro. Há outros sistemas mais elaborados como:

  • Filtragem centrífuga: onde uma força centrífuga é gerada para separar os contaminantes do óleo;
  • Magnético: eletroímãs são usados para atrair e filtrar partículas ferrosas presentes no óleo.

Os filtros podem falhar antes de sua vida útil esperada devido ao manuseio e armazenamento inadequados. Portanto, é fundamental manter os filtros limpos e secos quando eles não estiverem em uso.

O filtro é um importante indicador da saúde dos equipamentos, pois o material coletado nele indica que tipo de substâncias estão contaminando o óleo.

Como é feita a regeneração de óleo lubrificante?

A regeneração do óleo é um dos processos mais eficientes num sistema de gestão da lubrificação. Nela, ao invés do óleo antigo ser descartado após perder suas características, ele é tratado para que possa ser utilizado como um óleo novo.

A regeneração de óleo industrial inclui várias operações, com base em vários processos físicos, químicos e combinados. A regeneração visa remover a contaminação e os produtos do envelhecimento do óleo.

A seguinte sequência é recomendada para regeneração:

  1. Mecânico: para remoção de partículas sólidas, como filtragem e centrifugação;
  2. Térmico: para a separação contaminantes líquidos, como evaporação e destilação a vácuo;
  3. Químico: para restaurar as propriedades do óleo, como coagulação, purificação por hidrogênio, ácido sulfúrico ou sódio.

O processo de regeneração de óleo lubrificante também é muito importante para ajudar as indústrias a atender às novas demandas de responsabilidade ambiental.

Onde encontrar um especialista em gestão de lubrificação e manutenção industrial?

A Abecom é líder em vendas de peças para equipamentos industriais e maior distribuidor SKF do Brasil.

ABECOM traz uma combinação única de know-how, serviços e ferramentas SKF para o benefício de sua empresa. Nossa equipe multiespecialista é treinada pelos fabricantes. Atua para prolongar a vida útil dos ativos de sua fábrica, diminuindo as paradas de máquinas e aumentando a sua produtividade.

Em parceria com a SKF, fabricante mundial de rolamentos, somos a primeira distribuidora de rolamentos a dispor de uma Sala de Inteligência para gestão de ativos.

O REP Center/CGA Abecom proporciona aos seus clientes iniciativas voltadas à otimização dos recursos financeiros aplicados na manutenção. Principalmente através do prolongamento da vida útil de peças críticas, dos ativos monitorados e eliminação de paradas não programadas, incrementando o tempo de máquina funcionando.

Dessa forma, dispomos do gerenciamento completo dos planos de lubrificação como:

  • Análise de óleo
  • Construção, execução e revisão de planos de lubrificação;
  • Regeneração e Filtragem de óleo;
  • Transferência de conhecimento para equipe nas rotinas de lubrificação;

Diferenciais Abecom

  • Consolidação no fornecimento de vários produtos
  • Cronograma de Atividades Key Account
  • Gestão estratégica de estoque
  • Equipe de vendas altamente qualificada
  • Logística para todo o território nacional direcionada para contratos
  • Atendimento 24 horas
  • Sistema de compras on-line integrado
  • Loja In Company
  • Gestão de lubrificação e software de Lubrificação em nuvem (ABECLUB)
  • REP Center/CGA (Centro de Gestão de Ativos) com diagnósticos integrados, informação de disponibilidade de produto, aumento do MTBF e gestão a vista
  • Treinamentos customizados presenciais ou on-line
  • Savings Documentados
  • Otimização de cadastros e redução de inventários
  • Engenharia de aplicação

Gestão de lubrificação é na Abecom!

A Abecom está presente no mercado desde 1963, distribuindo soluções em manutenção industrial que visam garantir eficiência em todo equipamento rotativo.  

Oferece soluções em gestão de lubrificação em parceria com a SKF. Desenvolvemos um software para gestão de lubrificantes chamado ABECLUB. Com ele, o acompanhamento do plano de lubrificação de sua empresa será mais eficiente.

Além disso, oferecemos os melhores Lubrificantes SKF. Todos desenvolvidos com base em testes e estudos devidamente enquadrados em padrões de alta qualidade e desempenho.  

Fornecemos desde Lubrificantes Industriais até os Lubrificantes Alimentícios. Então, confira os nossos produtos e solicite um orçamento conosco! Possuímos uma equipe técnica especializada, treinada e bem preparada, sempre pronta para lhe atender. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe um comentário

Artigos mais lidos

Últimas Notícias

Categorias

Tags